A maior conquista de Mário Soares: A liberdade de ser insultado na sua morte

O que têm Mário Soares, Cunhal, de Gaulle e Churchill em comum? O ódio das pessoas que lhes devem a liberdade. Já depois de ter ganho a Segunda Grande Guerra, e de ter perdido as eleições do ano da sua vitória, Churchill citou um desconhecido:

A democracia é a pior de todas as formas de governo, excepto todas as outras que foram sendo testadas de tempos a tempos.

Não se tratou de uma profecia. No final de 1945, nem Churchill nem Roosevelt já ocupavam as cadeiras da liderança dos países que lideraram durante a guerra. Tão depressa foram a força agregadora dos seus povos, como foram os primeiros a ser rejeitados pelos mesmos, ainda assim sem grande alarido. As pessoas respeitosamente agradeceram o serviço prestado ao país. Na realidade, os povos da época tinham razão. Churchill não tinha uma visão para o pós guerra. A guerra representara toda a sua vida política desde a guerra dos Boers até à derrota de Hitler, e a reconstrução da Europa não era algo sobre o qual o eleitorado depositava a sua confiança, apesar de ser dele a expressão “Estados Unidos da Europa”. Roosevelt, não durou tanto tempo

De Gaulle não teve uma sorte muito diferente. Depois da segunda viagem pela política francesa, depois de recuperar a França do estado de anarquia, em 1958, De Gaulle foi rejeitado e humilhado pelo eleitorado em 1968. Durante esses 10 anos, França tornou-se a maior economia europeia ultrapassando a economia inglesa, recuperando económica e industrialmente da destruição da guerra e a anarquia dos anos 50, numa potência económica e militar. A sua derrota foi então o culminar de um dos períodos de maior sucesso da frança desde Napoleão.

A democracia é cruel, tão cruel como as pessoas que pretende representar. Nos tempos mais recentes, com a câmara de eco conhecida por Facebook, esta crueldade atinge níveis nunca antes vistos. Muitos dos que o criticam ainda não eram nascidos, mas a maior vitória de Mário Soares foi precisamente a de evitar que Alvaro Cunhal liderasse o país, transformando-o numa nova Cuba. Não, não foi Mário Soares o responsável pelo 25 de Abril, mas foi um dos grandes responsáveis por impedir que uma ditadura fosse convertida numa república socialista, da qual se conhecem bem os problemas com a liberdade de expressão.

A morte de Mário Soares não é excepção, no entanto é a primeira vez que tal acontecimento ocorre na era da caixa de eco. Passados minutos da divulgação da notícia, a página do Facebook da Sic Notícias já tinha a notícia

O antigo Presidente da República Mário Soares faleceu hoje no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado há várias semanas. Tinha 92 anos.

Posted by SIC Notícias on Saturday, January 7, 2017

Esta foi inundada por comentários negativos, de tal forma que pelas 20h já somava cerca de 1500 comentários. Infelizmente, a SIC Notícias não aprendeu com e eleição de Trump, e decidiu “limpar a sujeira”, de forma que mais de metade dos comentários tinham sido apagados no dia seguinte. No entanto, “a internet nunca esquece”, e fica aqui um exemplo do que foi escrito.

É triste, mas mas de forma nenhuma único, que a maior conquista de Mário Soares para Portugal é a possibilidade de todos poderem exprimir a sua opinião, independentemente de quão ofensiva ou obtusa possa ser, que aquilo que cada um diz possa ser ouvido e que todos possam ser reconhecidos por aquilo que dizem ou escrevem. É por isso que os meios de comunicação de devem abster de censurar o que quer quer seja. É importante que se leia a opinião de todo e qualquer um, por mais grunho que possa ser, para que todos nós possamos identificar os grunhos como grunhos que são. É essa a maior vitória de Mário Soares.

No futuro, quando alguém voltar a ler sobre este tema, nada irá encontrar sobre tudo o que foi dito, para que no futuro essas mesmas pessoas possam ser lembradas pelas suas palavras.