O efeito dos círculos uninominais: Eleições Francesas e Inglesas em 2017

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love          O sistema eleitoral português como todos os seus defeitos era, em 2015, um dos mais representativos do mundo ocidental. Quando comparado com os resultados das eleições gregas ou inglesas ocorridas em 2015, o sistema portugês consegue que os lugares na assembleia se aproximam com uma margem de erro próximo dos 5% do voto popular. É com esta margem de erro, numa democracia parlamentar que hoje existe um governo que não é formado pelo partido mais votado, mas que mesmo assim consegue representar a vontade popular. 2017 ofereceu-nos uma nova oportunidade de avaliar como os sistemas eleitorais de outros países reproduzem a vontade popular. Eleições legislativas Francesas Para a avaliação das eleições legislativas francesas de 2017 vamos apenas olhar para o voto popular da primeira volta, com os resultados globais obtidos na segunda volta. A razão pela qual e feita esta distinção prende-se com o próprio sistema. No sistema francês, todos os círculos são uninominais, mas o vencedor é apenas decidido quando um dos candidatos obtiver mais de 50% dos votos, mesmo que para isso seja necessário uma segunda volta com os dois candidatos mais votados. Desta forma, o voto da segunda volta não é representativo da vontade popular, uma …

A deturpação dos sistemas uninominais na representatividade do voto popular: UK vs Grécia

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love          Nota prévia: em Portugal é usado o sistema de Hondt, frequentemente alvo de críticas, em particular no que diz respeito à falta de representatividade dos pequenos partidos. Esta falta de representatividade não é nada comparado com os casos que serão descritos. Quando em janeiro desde ano foi atribuído ao sistema eleitoral grego grande parte do resultado do SYRIZA, uma vez que atribui um “bonus” substancial ao partido vencedor, e impõe uma votação mínima para poder entrar no parlamento. Passados poucos meses, já ninguém se importa com as deturpações dos vários sistemas eleitorais, e chovem felicitações à direita e à direita de vitórias expressivas alanvacadas por essas deturpações. É no Reino Unido um dos casos mais graves de deturpação da vontade popular, de tal forma que faria Tsipras corar de vergonha. Vamos então comparar os dois casos. O Caso Grego As eleições gregas obtiveram o resultado final que pode ser resumido neste gráfico: À partida não se vislumbram grandes discrepâncias nos resultados: o partido mais votado obteve mais assentos, cada partido consecutivamente com menor número de votos obteve menor número de assentos, de uma forma mais ou menos proporcional. Podemos também ver que o número de votos necessários para garantir …