E à terceira semana, Lisboa ainda está muito abaixo dos valores atingidos no Norte.

Spread the love
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 8
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love19    8    As notícias das últimas três semanas versaram invariavelmente sobre o nível de controlo, o falta dele, da propagação da COVID-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). E no entanto com alguma razão. Os níveis de propagação em alguns concelhos da região de Lisboa têm sido substancialmente superiores aos 50 novos infectados por cada 100 000. No entanto, essas notícias ignoram por completo o que se passou desde o início da pandemia. Efectivamente, se recuarmos no tempo cerca de 2 meses, podemos tirar muitas conclusões extremamente interessantes. É indiscutível que nas últimas 3 semanas a região de Lisboa tem liderado a taxa de incidência da doença. No entanto, esta liderança nem aconteceu nas últimas três semanas, nem corresponde a um grande aumento desses casos. Se olharmos para a semana de 4 Abril, já quando o foco na região Norte começava a ceder, o número de infeções na região norte era substancialmente superior a qualquer outra região, não tendo sido sequer aproximado por qualquer outra região desde então. De facto, até à semana de 6 de Junho, o valor médio da região de Lisboa era de 30 infecções por 100 000 habitantes. Este é um facto de nunca foi …

Mais uma semana de pico em Lisboa. Amadora é agora o local com maior risco de se cruzar na rua com um infectado.

Spread the love
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love1    12    Mais uma semana volvida, mais uma semana em torno do pico que está a ocorrer na região de Lisboa. Efectivamente, se olharmos para o gráfico à direita, todos os 14 dos 15 municípios com mais novos casos per capita estão na região de Lisboa e Vale do Tejo. Mas olhemos primeiro para o fundo da tabela. A parte mais significativa é precisamente que 18 dos municípios com mais de 100 casos até à data, não apresentaram nenhum novo caso nos últimos 7 dias, todos eles a norte de Aveiro, incluíndo Aveiro. Isto não significa no entanto, que a pandemia deixou de se propagar na região norte. Significa sim que em alguns dos municípios onde a provação foi inicialmente mais grave conseguiram de facto estancar a sua propagação. Noutros, como o caso de Lousada, Vizela ou Ílhavo, a propagação ainda está a ocorrer, mas agora com um número de casos significamente mais baixo que no passado. Existem no entanto, novos municípios que não estavam nesta lista, e que entretanto não só superaram os 100 casos, como mantêm uma taxa de propagação significativa. Estes são os casos de Mafra, Santarém e até de certa forma, Setúbal. Em comum, todos estes municípios têm …