Portugal e Itália fora do topo da tabela da COVID-19. Mas por quanto tempo?

Spread the love
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 11
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love19    11    Passaram mais duas semanas, mas é como se estivéssemos a ver o tempo a regressar a Abril. Depois da acalmia do verão, eis que a pandemia está de volta em força. Tristemente, como tinha sido previsto pelo epidemiologistas. No resto do mundo, os comportamentos divergem: No continente Americano, enquanto o número de casos aparenta estabilizar na América do Sul, nos Estados Unidos a pandemia grassa agora pelo Midwest, previamente na altura em que o presidente americano luta contra a doença. O continente Americano lidera o número de infecções per capita desde Maio. Na Oceania, os números têm agora uma tendência de descida, mas por razões diversas. Na Austrália e Nova Zelândia, medidas apertadas foram aplicadas e começam agora a ser relaxadas. Em África… África é agora uma enorme incógnita, uma vez que não é claro porque o continente não está a sofrer um aumento calamitoso do número de infeções, se excluirmos a África do Sul. O facto de que a faixa etária mais afectada ser residual neste continente, com a pouca capacidade de testagem pode simplesmente indicar que a infeção está descontrolada, mas que ninguém sabe, devido ao baixo número de vítimas fatais. Na Asia, enquanto a China …

A segunda vaga grassa na Europa, e em Portugal os números voltaram a atingir os recordes da Primavera, mas não são comparáveis.

Spread the love
  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 11
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love23    11     podemos concluir que apenas 1 em cada 20 casos foram detectados na altura, ou de forma inversa, o norte teve vinte vezes mais casos que o números oficiais da época Parece que o tempo voltou para trás em alguns países da Europa, e não aprenderam nada desde então. Espanha regista novamente valores de transmissão da COVID-19 que eram vistos desde os desastrosos meses de Abril e Maio, e a subida não parece estar a dar qualquer sinal de abrandar. De relembrar que Espanha ocupa actualmente o 2º lugar os países com maior número de vítimas per capita da Europa, apenas atrás da Bélgica. No entanto, e por este andar, pode ser que Espanha ultrapasse a Bélgica nessa competição que achava ninguém querer vencer. Aparentemente, em Espanha discordam. No entanto, Espanha não está sozinha. França, que ocupa o 4º lugar dos países com maior número de mortes por COVID-19 per capita, também está a experiência uma subida exponencial do número de casos, embora não ainda ao nível espanhol. Na restante Europa, o cenário é todo mais ou menos sombrio: na Áustria e na República Checa são atingidos os valores mais elevados de sempre (fazendo cair o ministro da …

Seguindo a liderança da Europa, municípios do Norte voltam ao topo da tabela

Spread the love
  • 10
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love10    7    Mais uma semana, mais uma semana onde a Europa atinge valores não vistos deste os tempos dos picos de Espanha e Itália. Mais concretamente, o nível de propagação neste momento é praticamente o triplo daquela que ocorreu em Julho. No entanto, ao contrário dos meses trágicos de Abril e Maio, onde a pandemia grassava em países específicos, nomeadamente Espanha, Itália e Reino Unido, está agora completamente disseminada em toda a Europa. De Portugal à Roménia, só para falar de países da União Europeia, a pandemia está agora em alta em todos os países europeus, a diferença está no grau. Para dar uma ideia da gravidade da situação, países como Espanha, França, Holanda, Bélgica (o país europeu com maior número de fatalidades per capita), Irlanda ou Itália, apresentam agora os valores mais elevados dos últimos 5 meses. Ainda mais significativo é a lista de países que estão a atingir os valores mais elevados de sempre, como a República Checa, Áustria, Croácia, Bósnia, e a Dinamarca, só para mencionar alguns. Portugal parece ter aprendendo alguma coisa com a primeira vaga da pandemia, ao contrário da Espanha, que é representada pela primeira linha do gráfico acima. Apesar dos números das infecções …

Portugal em contra-ciclo na semana em que o Reino Unido adicionou Portugal à lista de destinos seguros

Spread the love
  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love3    7    A notícia mais relevante da última semana é a colocação de Portugal na lista de destinos seguros do Reino Unido. Esta colocação acontece ao mesmo tempo que outros destinos de férias Europeus, como a Croácia, foram excluídos. Mesmos os último destino alternativo de férias para os ingleses, a Grécia, está a apresentar números muito preocupantes de novas infecções, numa subida consistente como se pode verificar no gráfico. Este comportamento de subida é comum na grande maioria dos países Europeus, destacando alguns que até agora tinham conseguido evitar grandes efeitos da pandemia, como a Bósnia, República Checa ou a Roménia. Mesmo alguns países con valores historicamente baixos de infecções, apresentam agora subidas significantivas e consistentes, embora ainda com valores absolutos baixos, como Áustria, Dinamarca ou Islândia. Totalmente em contra-ciclo está Portugal, onde a tendência das últimas 4 semanas é de estabilidade, que se sucede a outras 4 semanas de descida significativa. Será extremamente interessante ver o comportamento nas próximas 3 a 4 semanas, uma vez que o calendário escolar em toda a Europa tende a começar nesse período. Em países onde um novo pico estará a ocorrer, como deverá ser o caso de Espanha, será de grande interesse verificar …

Portugal em mínimos quando se aproxima uma tempestade da Europa

Spread the love
  • 27
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 9
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love27    9    As coisas não estão a correr bem na Europa. Na realidade, em todos os países que não foram afectados pela grande onda da Primavera vêm agora os números disparar. Como os portugueses penosamente sabem, chegar a uma situação de contágio crescente e descontrolado é fácil. Sair dessa situação, é extremamente difícil. De facto, como aconteceu de forma desastrosa em Itália e Espanha, o problema não se fica no controlo do contágio em si, o problema é que o número fatalidades começa a subir imediatamente depois das infecções subirem, mas demoram 20 dias depois do pico das infecções a começar a descer. E é nessa descida que estamos actualmente. Este contra-ciclo é extremamente relevante para o turismo, pois poderá permitir captar turistas aos países onde a pandemia está neste momento em subida, nomeadamente Espanha, Grécia e Croácia. De facto, depois de semanas agonizantes onde os números teimavam em não descer, eis que o número de infecções na região de Lisboa e Vale do Tejo mantém uma tendência de descida durante quatro semanas consecutivas, para o valor mais baixo desde Março. Isto fez com que o número de infecções em Portugal atingisse também o valor mais baixo desde o início …

E à terceira semana, Lisboa ainda está muito abaixo dos valores atingidos no Norte.

Spread the love
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 9
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love19    9    As notícias das últimas três semanas versaram invariavelmente sobre o nível de controlo, o falta dele, da propagação da COVID-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). E no entanto com alguma razão. Os níveis de propagação em alguns concelhos da região de Lisboa têm sido substancialmente superiores aos 50 novos infectados por cada 100 000. No entanto, essas notícias ignoram por completo o que se passou desde o início da pandemia. Efectivamente, se recuarmos no tempo cerca de 2 meses, podemos tirar muitas conclusões extremamente interessantes. É indiscutível que nas últimas 3 semanas a região de Lisboa tem liderado a taxa de incidência da doença. No entanto, esta liderança nem aconteceu nas últimas três semanas, nem corresponde a um grande aumento desses casos. Se olharmos para a semana de 4 Abril, já quando o foco na região Norte começava a ceder, o número de infeções na região norte era substancialmente superior a qualquer outra região, não tendo sido sequer aproximado por qualquer outra região desde então. De facto, até à semana de 6 de Junho, o valor médio da região de Lisboa era de 30 infecções por 100 000 habitantes. Este é um facto de nunca foi …

Mais uma semana de pico em Lisboa. Amadora é agora o local com maior risco de se cruzar na rua com um infectado.

Spread the love
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 14
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love1    14    Mais uma semana volvida, mais uma semana em torno do pico que está a ocorrer na região de Lisboa. Efectivamente, se olharmos para o gráfico à direita, todos os 14 dos 15 municípios com mais novos casos per capita estão na região de Lisboa e Vale do Tejo. Mas olhemos primeiro para o fundo da tabela. A parte mais significativa é precisamente que 18 dos municípios com mais de 100 casos até à data, não apresentaram nenhum novo caso nos últimos 7 dias, todos eles a norte de Aveiro, incluíndo Aveiro. Isto não significa no entanto, que a pandemia deixou de se propagar na região norte. Significa sim que em alguns dos municípios onde a provação foi inicialmente mais grave conseguiram de facto estancar a sua propagação. Noutros, como o caso de Lousada, Vizela ou Ílhavo, a propagação ainda está a ocorrer, mas agora com um número de casos significamente mais baixo que no passado. Existem no entanto, novos municípios que não estavam nesta lista, e que entretanto não só superaram os 100 casos, como mantêm uma taxa de propagação significativa. Estes são os casos de Mafra, Santarém e até de certa forma, Setúbal. Em comum, todos estes municípios têm …