A partir daqui é sempre a descer, mas uma localidade já tem 3% da população infectada.

Spread the love
  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love23    7    Já ninguém questiona que a segunda vaga chegou a Portugal. Tal como o que aconteceu na primeira vaga, A segunda chegou a Portugal com algumas semanas de atraso. Mas isso será objecto de outra publicação. Desta vez vamos apenas focar em Portugal. Olhando apenas para os números absolutos, Portugal atingiu consecutivamente nas últimas 3 semanas valores acima dos registados em Abril. Curiosamente, observa-se exactamente o mesmo padrão da primeira vaga: uma propagação galopante na região Norte, e uma subida mais ligeira da região de Lisboa e Vale do Tejo. Nas restantes regiões do país, as subidas são claras mas menos pronunciadas. Mas estes valores têm de ser tratados com cuidado. Em particular na possibilidade muito real, de que em Abril, os números de casos tenham substancialmente subestimados. Efectivamente, um estudo publicado esta semana, calcula a Taxa de Fatalidade por Infecção da doença em 1.15% para uma população envelhecida como a Portuguesa. Ora, se considerarmos que a Taxa de Fatalidade ocorrida em Abril estava nos 5%, podemos concluir que nesse período apenas estávamos a detectar cerca de 20% dos infectados. Tal cálculo permite calcular o número real de novas infecções por 100 000 habitantes em 265, e que compara …

As diferenças entre o pico da epidemia no Norte e Lisboa e Vale do Tejo

Spread the love
  • 13
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 11
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love13    11    Como seria de esperar, com uma segunda vaga de propagação da Covid-19 a ocorrer na região de Lisboa e Vale do Tejo, apareceram nas redes sociais dezenas de indignados sobre porque não se fala agora de uma cerca sanitária a Lisboa, como se falou no Porto, e se fez em Ovar. Ora, uma das características da indignação das redes sociais é precisamente a falta de adesão à realidade dos números. A razão pela qual as notícias estão a aparecer em catadupa, prende-se precisamente pelo facto de que no resto do país a propagação está quase parada. Notem no entanto o quase. Na realidade, se virmos a evolução das infecções por 100 000 habitantes nos municípios com mais casos, pode-se precisamente perceber que os 3 municípios mais afectados mais afectados são todos dos subúrbios de Lisboa, nomeadamente Amadora, Loures e Odivelas, respectivamente. De facto, a grande maioria das novas infecções registadas em Portugal ocorrem nestes três municípios, Sintra e Lisboa. Então porque não se fala em isolamentos? Existe no entanto uma diferença de escala entre o que acontece agora nesses municípios da zona de Lisboa e o que aconteceu no Norte em finais de Março e inícios de Abril. …