É oficial, o COVID-19 é muito mais perigoso que a gripe. A mortalidade em Nova York excede a de Itália.

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love          Agora já é oficial. Quando virem alguém comparar o Covid-19 à gripe, já podem chamar de ignorante, usar a opção “Ocultar tudo” do Facebook ou simplesmente virar as costas. No passado dia 17 a Bélgica tornou-se no país com maior taxa de mortes per capita por Covid-19. Nessa data atingiu as 42 mortes por cada 100 000 habitantes, ou 0.0042% da população total. Esse número desde então subiu para as 52 mortes ou 0.005% da população total. Este valor é fundamental porque coloca um patamar mínimo na taxa de fatalidade da Covid-19, e podemos e entendê-lo da seguinte forma: se a Bélgica tivesse atingido a imunidade de grupo, este teriam sido as fatalidades necessárias para tal ser atingido. Ora, é obvio que amanhã haverão ainda novas infecções e novas mortes, pelo que sabemos à partida que este valor está errado, mas no entanto marca o valor mínimo, que será actualizado todos os dias. Entra o estado de Nova York. Estado de Nova York regista hoje o trágico registo de 101.2 mortes por 100 000 habitantes, ultrapassando a Bélgica. Este valor é tão mais importante quando comparado com a mortalidade provocava pela gripe em todos os Estados Unidos. Ora, o gráfico é …

Bélgica é desde hoje o país mais afectado pelo COVID-19. O que acontece quando o lockdown não é respeitado

Spread the love
  • 35
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love35         Alguma coisa correu mal na Bélgica. A Bélgica reconhecidamente reagiu algo tarde à pandemia do Covid-19, e apenas implementou medidas de contenção no dia 18 de Março, quando já havia registado mais de 1000 infecções e 18 mortos. Desde essa data, passaram 29 dias, e as medidas de contenção parecem não estar a funcionar, como se pode verificar no gráfico abaixo:     Após as medidas iniciais, tudo parecia estar a correr com alguma normalidade, em linha com que esteva a acontecer noutros países, como França, Holanda e Reino Unido. Não que as coisas tenham corrido particularmente bem nesses países, mas não estavam ao nível de Espanha ou Itália. As coisas começaram a pender para o pior em torno do dia 9 de Abril (o que tendo em conta o tempo médio entre a infecção e a fatalidade, corresponderam a infecções em torno de 21 de Março) quando os números começaram a disparar. E tal tem acontecido desde então, a um ritmo superior ao da Espanha ou Itália se tivermos em conta a população de cada um dos países, até à meia noite de ontem, onde o número de fatalidades por cada 100 000 habitantes atingiu as 42, …