A evolução sectorial do mercado de emprego 2011-2017

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love          A que sectores se deve a recente subida do emprego? Deve-se tudo ao turismo? Ou pelo menos qual é o papel do turismo na recuperação do desemprego? Houve outros sectores com ganhos significativos em emprego? Este é o segundo artigo sobre a evolução do mercado de trabalho dos períodos troika e pós-troika. O primeiro versou sobre o emprego que aufere o ordenado mínimo antes e depois de 2015. O INE anunciou recentemente que deixaria de publicar dados sectoriais da evolução do emprego, porque entente que os dados de um mercado tão pequeno como o português não oferece fiabilidade nos números para terem valores estatísticos. Fiáveis ou não (tendo em conta que por exemplo não é possível distinguir o emprego na restauração do emprego da hotelaria), ainda estão disponíveis no Eurostat para consulta, e pode ser usados, tendo em conta a possível falta de fiabilidade. Nos últimos anos, o mercado de trabalho sofreu movimentos violentos, num volume que chegou a atingir cerca de 10% da força de trabalho por conta de outrem (3,8M de pessoas) num período de 5 anos. No entanto, essa variação variou consoante as àreas económicas, quer no seu movimento descendente como no movimento ascendente, e para …

O défice de 2%: O bom, mau investimento e o emprego.

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love          Os 2% do défice de 2016 continua a causar incómodo em todos os quadrantes: partidos políticos, instituições europeias, entidades independentes e … jornais económicos. E todos por uma boa razão: todos disserem que era “matematicamente impossível”. Depois das previsões falhadas, cada uma dessas entidades começou a percorrer o caminho do purgatório no sentido de provar que as previsões até não estavam erradas, o caminho é que foi diferente. … e até foi, mas não forma como vem sendo a ser descrito. Entre os primeiros a tentar justificar a falha nas previsões encontra-se o Concelho das Finanças Públicas (CFP) e o Jornal de Negócios, embora percorrendo caminhos diferentes. Para o Jornal de Negócios, o valor do défice têm diversas justificações, como se pode ver no diagrama publicado: Neste diagrama, o comum leitor pode facilmente chegar à conclusão que este défice foi atingido pela redução das “Despesas de capital” de 7.701 M€ para 3.726 M€, sendo que no texto abaixo apenas é referido que o investimento público é reduzido em “perto de mil milhões de euros”. De notar que dentro da rubrica “Despesas de Capital” de 2015 inclui a medida de resolução do BANIF, no valor de 2.463 M€, o …