Odivelas chega ao topo da lista dos concelhos com maior número de contágios per capita.

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 17
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love     17    Depois de mais uma semana onde os mesmos municípios continuaram a apresentar maus resultados que na semana anterior, o governo decidiu actuar. De facto, os valores dos últimos 7 dias não poderiam resultar em qualquer outra coisa que uma reacção, que mesmo assim pode pecar por limitada. Nós últimos 7 dias, os concelhos de Odivelas e Amadora excederam as 100 infecções por 100 000 habitantes, o limiar a partir do qual a pandemia ganha proporções incontroláveis. A acção do governo incide então nos 4 municípios com maior taxa de incidência de novas infecções, Odivelas, Amadora, Loures e Sintra, e mesmo nestes casos, nem todas as freguesias dos concelhos de Loures, Sintra e Lisboa são abrangidas pelas novas medidas. No entanto, a lista dos concelhos com piores resultados não se fica por aqui. Também nos concelhos de Vila Franca de Xira, Oeiras, Moita, Santarém e Setúbal são agora uma preocupação, não só por registarem subidas significativas na taxa de infecção, como o facto de que fazem agora parte topo dessa lista. Dada a população concentrada nestes municípios, tal ganha uma relevância muito significativa. Nestes concelhos deverão estar os focos na próxima semana. Olhando para a progressão das últimas seis semanas, pode-se verificar que …

E à terceira semana, Lisboa ainda está muito abaixo dos valores atingidos no Norte.

Spread the love
  • 19
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 10
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love19    10    As notícias das últimas três semanas versaram invariavelmente sobre o nível de controlo, o falta dele, da propagação da COVID-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). E no entanto com alguma razão. Os níveis de propagação em alguns concelhos da região de Lisboa têm sido substancialmente superiores aos 50 novos infectados por cada 100 000. No entanto, essas notícias ignoram por completo o que se passou desde o início da pandemia. Efectivamente, se recuarmos no tempo cerca de 2 meses, podemos tirar muitas conclusões extremamente interessantes. É indiscutível que nas últimas 3 semanas a região de Lisboa tem liderado a taxa de incidência da doença. No entanto, esta liderança nem aconteceu nas últimas três semanas, nem corresponde a um grande aumento desses casos. Se olharmos para a semana de 4 Abril, já quando o foco na região Norte começava a ceder, o número de infeções na região norte era substancialmente superior a qualquer outra região, não tendo sido sequer aproximado por qualquer outra região desde então. De facto, até à semana de 6 de Junho, o valor médio da região de Lisboa era de 30 infecções por 100 000 habitantes. Este é um facto de nunca foi …

Mais uma semana de pico em Lisboa. Amadora é agora o local com maior risco de se cruzar na rua com um infectado.

Spread the love
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 14
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love1    14    Mais uma semana volvida, mais uma semana em torno do pico que está a ocorrer na região de Lisboa. Efectivamente, se olharmos para o gráfico à direita, todos os 14 dos 15 municípios com mais novos casos per capita estão na região de Lisboa e Vale do Tejo. Mas olhemos primeiro para o fundo da tabela. A parte mais significativa é precisamente que 18 dos municípios com mais de 100 casos até à data, não apresentaram nenhum novo caso nos últimos 7 dias, todos eles a norte de Aveiro, incluíndo Aveiro. Isto não significa no entanto, que a pandemia deixou de se propagar na região norte. Significa sim que em alguns dos municípios onde a provação foi inicialmente mais grave conseguiram de facto estancar a sua propagação. Noutros, como o caso de Lousada, Vizela ou Ílhavo, a propagação ainda está a ocorrer, mas agora com um número de casos significamente mais baixo que no passado. Existem no entanto, novos municípios que não estavam nesta lista, e que entretanto não só superaram os 100 casos, como mantêm uma taxa de propagação significativa. Estes são os casos de Mafra, Santarém e até de certa forma, Setúbal. Em comum, todos estes municípios têm …

Loures é o município onde será mais provável cruzar-se na rua com um infectado com Covid, mesmo que essa pessoa não saiba.

Spread the love
  • 148
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 15
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love148    15      Passou mais uma semana em que o foco da pandemia se mantém na região de Lisboa e Vale do Tejo. De facto, olhando para os números apresentados pela DGS, existem 4 municípios onde a situação da pandemia aparenta ser preocupante, nomeadamente Amadora, Sintra, Loures e Odivelas. Em todos estes municípios a taxa de novas infecções excede os 75 habitantes por 100 000, sendo que na Amadora chega aos 111. Para tornar a situação mais complexa, trata-se de municípios onde a maioria da população residente não trabalha no mesmo município, mas na cidade de Lisboa, ou em outros municípios menos populosos como é o conhecido caso da Azambuja. Este facto apenas tornaria inútil qualquer tentativa de isolar a propagação da infecção nesses municípios uma vez que a propagação não ocorre nos mesmo. De facto, a cidade de Lisboa, onde seria um dos locais onde a propagação realmente ocorre,  apenas aparece em 10º lugar Outro ponto a ter em conta, é que muitos destes municípios já apresentavam quantidades significativas de infectados, pelo que um dos dados a ter em conta é o número daquele que tendo tido a infecção, já não a têm. Na realidade, e ao contrário do que …

A primeira semana após o desconfinamento. TOP5 dos municípios com piores resultados: Vila verde, Coimbra, Ovar, Lousada, Amadora

Spread the love
  • 4
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love4         Passou agora uma semana após o fim do período de confinamento, e entramos agora no “novo normal”. Uma normalidade onde para se evitar um recinto fechado ou transporte público é necessário ter usar uma máscara. Qualquer um que tente entrar numa agência bancária sem uma máscara a tapar a cara é impedido, para dar passagem aqueles que a usam. Portugal, como nos outros restantes países da Europa que ja ultrapassaram a primeira vaga da Covid-19, sai agora da reclusão como se saísse de um bunker depois da detonação de uma bomba nuclear. Lá fora os danos são dignos de uma obra de ficção científica: Nos Estados Unidos e em pouco mais de um mês, o desemprego subiu de menos de 4% para mais de 14%, a subida mais alta alguma vez registada, e o valor mais elevado dos últimos 90 anos. É preciso recuar até à grande depressão para encontrar valores desta magnitude. E ainda não estabilizou. O Reino Unido ainda anda a braços com a primeira vaga, já excedendo os 30 000 mortos A mortes per capita da Suécia sobem inexoravelmente atingindo agora o Top5 na UE, e sexto a nível mundial. Na Coreia do Sul o desconfinamento …

Hoje é o primeiro dia do resto das nossas vidas. Mas estamos preparados?

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  

Spread the love     1      Nunca Sérgio Godinho sonhou que esta sua música pudesse ser levada tanto à letra (for falar nisso, é só carregar em play 😉 ). Mas hoje será literal: 45 dias dias, a vida pode continuar, mas o resto da nossa vida será no “novo normal”. Mas será que estamos em condições para terminar o confinamento ? A nível nacional não existem grandes dúvidas: o número de infecções foi substancialmente reduzido, tendo atingindo um valor médio ligeiramente abaixo do 1% nos dias mais recentes, o que avaliando com os restantes países europeus que não foram martirizados pela pandemia (Austria, República Checa), corresponde ao limitar da abertura da sociedade.Taxa de infeção – média de 5 dias No entanto, temos visto nos últimos dias que o país não é uniforme no que diz respeito à distribuição da infecção. Nos últimos tempos. a taxa de infecção em alguns municípios tem sido muito mais elevada que a média do país. Usando a métrica usual do número de infecções por 100 000 habitantes, a disparidade Norte-Sul é novamente evidente. No gráfico à esquerda, os municípios tão ordenados pela latitude da sede do município, mas limitado aos municípios com mais de 100 infectados.A evolução da …